Nunca sou só, posso ser sol_ quando So(l) : Mar agitado!




Comecei a editar essa minha história, desde o dia vinte e cinco , e não é novidade, estava no ônibus, quando deduzi que nesse mês, justamente  julho eu escreveria baseada em minhas corriqueiras lembranças , no entanto , retomaria algumas conquistas , importantes avanços nos  quais estou envolvida no campo profissional; noutras mais comprometida. É tempo de ouro, de gratidão ! E atravesso pelo menos duas semanas de intensas emoções para trazer de modo tão parecido e tão original essa minha opção de escrita; naquela manhã , logo cedo o Santo Anjo  Miguel  havia partido, tornou-se uma saudade, uma lembrança, foi para perto do Pai! Em situações assim, mudo o rumo de minha história “sei” quantas vezes. Volto ao tempo em que fui estudante, de minhas desenfreadas buscas por livros emprestados, do meu primeiro contato com Clarice Lispector  e todas as vezes após as leituras , quaisquer que fossem,  havia no dia seguinte uma desconcertante solidão ou inquietação, mais que isso: como será o dia em que tantas gentes tiverem acessos aos meus “contos”? Como farei para atrair tantos leitores e avançar no estilo e qualidade de gênero? Presunçosa, acho que cheguei nesse tempo! É o estilo!
orientemos voos
Depois das minhas “memoráveis” publicações faço releituras tantas vezes, empenho mais emoção no título ou no próprio texto, faço promessas silenciosas, temendo o ridículo , as críticas absurdas daqueles que por maldade trazem amargas deturpações, às  vezes , encaro como antídoto como se houvesse sabor do sucesso a cada final.. Na melhor das hipóteses: de quais vidas estou mesmo falando? Os santos juninos, anjos e Marias desfilaram nos corredores no final desse mês e nada mais honroso para mim do que encerrar o período letivo com o Sarau, cujo tema desperta meu interesse: “de projeto em projeto um olhar sobre ..” não posso me apropriar de um trabalho que é coletivo, ainda assim,  promovemos qualidades, inclusive naqueles que protestam e não veem mãos valiosas “tecendo manhãs”. E o mês termina para nós com essa enorme festa! Contudo, preciso dizer: “eu não quero vencer sem forças”, se me faltam dedicação, saberes e impressionante conhecimentos, espero oferecer ideias relevantes.  Algumas pessoas estranharão pela vértice, pela pobreza de conteúdos ou porque em vez de minha postura pessoal enxergarão mais a postura de quem assume as obrigações da função! Que seja! Em não havendo nada de excepcional , nessa página eu dou legitimidade para minhas escritas. Eu mesma assino. Nesses quatro anos de criação do blog, nesses quase quatro no exercício da função, concorrida função; as minhas declarações a pretexto de qualquer coisa, é a de que não traremos confrontos para momentos de oportunidades, não cabe aqui brilho para uma única estrela, exceto para nosso próprio município, porém não se pode defender a teoria de Machado de Assis em um de seus contos  prevendo que “jamais devemos discordar das pessoas para evitar inimizades”; temos amadurecido e falo por minha própria experiência. Vivemos em tempos de inovação, de produção de conhecimento, de novos cuidados.
"Me ensinando tanto do mundo"
Daí, depois do dia 28, inesquecível dia 28 de junho!  Eu já até havia feito o post em meu facebook “ nunca sou só, posso ser sol...” reescrevi essa história bem daqui, nossa equipe como em tantas outras vezes foi convidada a participar da culminância de um projeto , sobre os talentos de nosso município, retruquei antes de minha ida, pedindo que outra colega nos representasse, ainda bem que para todas as coisas Deus nos mostra um propósito, os trabalhos feitos no Polo do Povoado Lagoa dos Costas ; de inicio pelos murais, nas escolhas de escritores maranhenses meu cérebro já arquitetava a descoberta de um novo mundo ali, dentro de mim; um artista daqui mesmo de minha cidade havia feito um lindo quadro capaz de encantar qualquer um! Que honra! Que alegria! Acalma Senhor, meu coração porque não posso confundir esse dia histórico como algo latente apenas para minha vaidade pessoal! Obrigada comunidade do povoado Mangabeirinha! Em passant , remontei alguns fatos históricos e muito bons , a exemplo do 30 de Outubro, nosso primeiro Fórum Municipal de Leitura;  dia 30 de abril quando da publicação de meu segundo livro... desmontei mesmo nas apresentações orais, de homenagens lindas, de paródia do “Aprender e ser” do primeiro livro, no destaque do assassinato de nosso irmão, referendado no segundo livro! Que grandes trabalhos somos capazes de fazer! Com quantas influencias estamos lidando e liderando diariamente! Emoções infinitas eu tive até ao final! Obrigada Senhor por me conceder tão boas oportunidades! Obrigada aos que convivo e me provocam para a não desistência!  Muito obrigada! Ao chegar, cheia do orgulho humano, mostrava à minha mãe, ao meu filho, a minha irmã , exaltando: Que lindo! Já pensou se eu não tivesse ido!! Chorei rios de lágrimas, com lembranças boas, experiências maravilhosas. Eu sou a mais pura e maravilhosa intenção de Deus, linda aos olhos Dele, dizia a canção que escolheram para encerrar a homenagem.
Tomo essa liberdade, não para fazer teatro, trilho, confiando e agradecendo a Deus e todas as vezes às mãos generosas que com discernimento me ajudam nessas caminhadas ... e dia trinta de Junho não foi diferente mais alegrias coletivas, mais ensaios para a vida, para o bem.  E de outra vez na estrada, dessa vez de volta para casa,   quatro de julho de 2016, oitenta e três anos, três anos: quantos milhões de histórias? Parabéns ao nosso pai! Ainda com as “alegrias” das ondas do mar, na travessia! Dizia comigo mesma: logo hoje aniversário de teu pai, pega outro itinerário, são os deveres, bons deveres ( lembrei de minha mãe de suas agendas cheias de dedicação e seriedade no trabalho). E só à noite, bem noite, vi as tão lindas homenagens feitas ao meu pai naquele dia. Primeiro aquela do post de meu querido filho “ meu querido meu velho meu amigo” ! "O Captain! My Captain!" Avohai- Avô e Pai! E aqui não cabe só uma emoção (...)  Assistindo aos vídeos, ouvindo as canções escolhidas pela equipe do programa Melhor em Casa, canção linda como “Acalma meu coração” , dela o trecho: “Não quero interromper o teu silêncio, oh, pai, mas é só orando que eu encontro paz ,” é assim nosso pedido , nossa oração! E uma voz me disse: Teus pais tem orgulho dos filhos que tem! Sim , eles tem! E lá de Maceió, veio o áudio , cantado pelo meu irmão, com a voz embargada, ao vivo e em cores, (devia dizer nosso saudoso irmão) e eu também compartilho um trecho :“  Se você caminhando encontrar /  alguém chorando pare um pouco por favor não siga andando/ Esse alguém precisa um pouco de você, com certeza uma palavra vai fazer esquecer a dor...” Preparo-me para uma apresentação oral, outro enorme e orgulhoso  trabalho, cinco de julho, embargo a voz, fraquejo nas palavras, mas uma voz amiga, vindo de uma das Marias me diz “ você conseguirá”! Me disseram depois, que minha voz estava linda... mas ninguém  sabe como me mantive em pé! No mar, nas travessias, ainda bem que a gente pode ajustar as velas! Depois desse trabalho, ainda ouço minha própria voz: nunca sou só! Sou sol! E tenho mãos humanas maravilhosas! E para diminuir as lágrimas, eu não danço Carimbó! Obrigada! Muito Obrigada! Dia 04 de julho nós também merecemos parabéns!Três anos: nós e nossa mãe!

Postagem em destaque

De meu quintal : um 13 maior que o mundo

Ouço as palavras , ouso nalgumas ,   uso-as como parte do papel para compor a outra parte de meu silencio , recorri a   Manoel de Barros p...