PASSEIO EM SÃO LUÍS



Vamos querida, dá-me tua mão
Vamos descendo agora a escadaria
A escada da Fonte do Ribeirão
Esta fonte histórica do século dezoito
Onde o Poeta Romântico passeou com sua Ana Amélia
Olhe os peixes, veja nós dois no reflexo d`água...
Vamos agora para o Teatro Artur Azevedo
Veja essas sacadas azulejadas da Rua do Sol
O Teatro da prosa e poesia
Mas cuidado, agora vamos por aqui, veja...
Olha ali a Academia de Letras
Em que o Dias é o Patrono da Cadeira de M. Meireles
Pois é, lá é onde estão reunidos meus confrades imortais
Entremos agora para o Salão Literário
Vamos querida seguindo! Já chegamos...
Chegamos na Praça João Lisboa, veja lá a Igreja do Carmo
Onde vamos casar no futuro, quem sabe... em papel...
Vamos descendo querida, vamos ao convento
Convento das Mercês e Cafua do Negro... Museus...
Onde eu já lhe mostrara em tempos passados, lembras? 2006...
Vamos seguindo agora para o Reviver
Vamos REVIVER tudo... tudo...
Veja querida a Casa das Tulhas
Vamos beber uma cachacinha, pouca coisa...
Vamos comer camarão e saputi... ouvir um Reggae...
E beber só uma cerveja, pouca coisa...
Vamos seguindo, páre aí! Você gostou desse vestido?
Leve que eu pago, só pra você querida...
Você gostou dessa camiseta dos casarões históricos, leve que eu pago
Veja querida as janelas e sacadas
O artesanato, leve que eu pago...
Leve como minhas lembranças dessa bela São Luís
Mas sobretudo leve mesmo as lembranças de mim
Vamos querida para o Teatro João do Vale
Assistir Romeu e Julieta, juntinhos... no escurinho
Onde há de brilhar o nosso encontro
O Encontro além das doze badaladas
O Joel e a Irene agora personagens reais...
Vamos querida para a Praça Maria Aragão
Vamos até lá na Feira do Livro
Vamos alimentar nossa alma intelectual
Veja querida essas obras, esses livros...
Mas vamos agora querida...
Para outro lugar, parque a noite está chegando
Vamos passar agora no Palácio dos Leões
E do seu muro veremos a sol se por traz do mar
Num horizonte infinito e belo
Agora não dá mais para esperar
Me abraça por favor! Porque quero cantar pra você os meus versos de amor
E “Mar Portuguez... de “Pessoa” da Escola Modernista...
Descemos amada essas escadas porque já é noite
Agora vamos para a Praia do Olho D`Água
Longe de tudo, bem distante de tudo...
E sobre a areia escrevemos nossos nomes agora
Nossos nomes para sempre... sempre no Panteon da glória
Quero sempre... sempre...
Querida já é tarde, o tempo passou tão rápido
Gostei desse Passeio em São Luís do Maranhão
Gosto de você... só de você...
Amamos para sempre... sempre...
Para toda eternidade.



Bastosandero65@gmail.com

                                     José Antonio Basto
                                     XXII – XI - MMXI















Postagem em destaque

De meu quintal : um 13 maior que o mundo

Ouço as palavras , ouso nalgumas ,   uso-as como parte do papel para compor a outra parte de meu silencio , recorri a   Manoel de Barros p...