Antes sol:o canteiro está semeado





            Meu ideal...? Não , eu não tenho ideal para essa escrita. Não trago sátira, não serei engraçada nem dramática, não prescrevo nada sobre criatividade... fiquei aqui, por longas horas, olhando para esse papel em branco, lápis, caneta sobre a mesa; abri o notebook, reli algumas páginas do blog e me perguntava: Por que mesmo eu nunca mais escrevi uma página? Reli outras vezes, deparei-me com um comentário que atraiu minha atenção: "o canteiro está semeado". Lembro-me da observação de uma leitora :já está em tempo de publicar mais um texto.Pois é, em tempo.

          Desde alguns dias, tenho aumentado meu repertório para as escritas, através das conversas com meu pai ( e a Dulce diz:não sei como tu escreve, aí já é outra história) podendo ter outras motivações, é claro; aprendo a dizer  e um jeito de dizer que me fazem compreender e valorizar ainda mais a vida, por elas aprendo sobre história, valores, teorias filosóficas, figuras de linguagem; reconheço que o título de "escritora" não me valeria muito se outros nomes não fizessem parte de minha vida, e  assim que trago mais uma reflexão. Noto, que deixo de dizer muita coisa,tenho cuidado enorme na hora da oralidade, na interlocução; porém, assumo a posição de quem escreve e adquiro confiança nesses discursos quando organizo minha escrita. Fiz dessa página minha confidente, compartilho algumas respostas, quando as escrevo não sinto obrigação em trazê-las em todas as letras, no entanto, eu as trago. Ao leitor, caberá o cuidado e responsabilidade em criticar, comentar, admirar, com inteira liberdade.

Às Marias!
        Eis:   há anos, não sei precisar, por indicação de uma amiga, conheci a música " A lista" de Oswaldo Montenegro, de melodia não me chamou muita atenção, mas a letra... é impossível não admitir que somos vítimas dessa "lista" por nossas perguntas, respostas, por alguns percalços, por preconceitos; recortei um trecho para refletir melhor sobre ela "Quem você mais via há dez anos atrás?Quantos você ainda vê todo dia?Quantos segredos que você guardava?Quantas pessoas que você amava? Hoje acredita que amam você? No Natal do ano passado, lembrei-me dela, avaliando detalhes, momentos distintos de minha vida, de amizades, de relações, de círculo social,de tudo e de todos, de gente que se importa com gente.  Com quantos deles eu tive a chance de efetivamente "com o coração cheio de amor" desejar um Feliz Natal? Com quantos eu troquei abraços e lembranças com a franqueza e serenidade que cada um de nós merece? Nessa lembrança, provoquei a lágrima; reagi como se eu não tivesse aprendido nenhuma lição em 2014,como se tivesse exercitado a escrita sem nunca ter incitado ao exemplo,  numa hipótese excludente, ter sido de fato uma má pessoa... hoje treino meu Natal desse ano; reagindo, não me entregando,confiando,  escrevendo; aumentando as minhas chances de SER uma interlocutora melhor,de continuar acreditando nas pessoas de bem; de fazer da canção de Montenegro uma ponte e construir uma perspectiva de que novos desafios me apontam para uma   indagação otimista: Para correr entre quais canteiros ?

            Por coincidência boa, no Natal do ano passado, meu cunhado trouxe de presente para meu pai, um carro de brinquedo automotivo, nele um pen drive com algumas músicas já selecionadas, e na lista, estava "é por você que canto", meus olhos voltavam-se para os de meu pai, grandes, esverdeados, bonitos; lacrimejei e dentro de mim dizia: devia ser por você, só por você que eu devia cantar , porque quanto mais o tempo passa, mais aprendo com você... e o tempo que perdi, que não renunciei, que fui mal humorada, que me queixei das lições, que tornei-me impotente,que não tive humildade! Tudo isso o tempo transforma... ainda bem; e outras pessoas aparecem para dar movimento à lista e sentido à vida, ainda bem! Ainda bem, meu pai,  que o sol nasce, o terreno é fértil, o canteiro está semeado, ainda bem! E para não deixar passar em branco, em terreno de canteiro semeado  " o cuidado é para não se entrar com dois pés e sair de quatro" , porque antes sol. E essa pode ser mais uma metáfora, minha amiga, pode ser !! Porque meu pai me disse com quantos se faz a cangalha, mas sobre a arapuca!










Postagem em destaque

De meu quintal : um 13 maior que o mundo

Ouço as palavras , ouso nalgumas ,   uso-as como parte do papel para compor a outra parte de meu silencio , recorri a   Manoel de Barros p...