Para o mesmo amanhã, pelo menos duas impressões !





 Recuperam-se as energias é aqui, na poltrona, do lado, vendo a vida pela janela. Um anjo sempre vem quando o outro falha ... Eu quis começar bem daqui e essa prosa começou ser editada  dia 15, sexta-feira, quando de súbito, arquitetei uma viagem, e essa seria “a viagem” para  um novo olhar,  por providencia divina não aconteceu. Reorganizei as malas e dia seguinte  peguei “o trem das nove”. Quase todos nós, naquele dia estávamos ansiosos pelo o que seria do “amanhã”, considerando que dia dezessete os primeiros passos seriam dados rumo ao processo de impeachment da Presidente Dilma. Na viagem, se não fosse por uma mensagem com a canção AMANHÃ de Guilherme Arantes recebida via whatsap, eu nem lembraria de que o país passaria por essa “crise política” em seguida, uma outra de que a BR 135 seria interditada pela mesma motivação ...  Absorta em outros pensamentos, voltei-me para as mensagens e no susto disse  : Nossa , “o que será  amanhã”!
porque tem fé!
Na estrada, fui digerindo as informações, trazendo à memória os mais distintos acessos, as perspectivas plantadas especialmente entre os mais de cinquenta milhões de brasileiros nordestinos, os discursos contemporâneos da continuidade de avanços e conquistas, os pragmatismos, os nomes dos representantes que escolhemos para nos representar lá na Câmara, as composições diversas da sociedade brasileira. Porém, ali, na estrada eu não teria fundamentos para defender nenhuma “tese”, aliás, quantas opções de leitura eu teria condições de obter com apenas um sinal? Naquele dia nas  redes sociais , todos  com poucas exceções falavam somente disso e o perigo estava justamente aí: “  o saber demais através das redes, para saber usar de menos, na vida”; estamos nos perdendo  com quantidade de acesso e na qualidade de   aplicabilidade.  Fiquei assim, poucos passageiros “no trem” e fui me lembrando de outros momentos marcantes - de minha infância , quando na década de 70 Padre José Antonio ( já falecido) e Dom Xavier foram presos aqui em nossa pequena cidade, acusados por adversários como comunistas, (lá em casa todos choraram)  depois; de um outro momento na década de 90, em que fui “acusada” de conspiração contra o gestor de uma  escola do município, outros flash podiam ser citados na hora em que digito, porém...   E até nisso agravam-se alguns preconceitos. Os próprios registros nos dizem que toda história precisa de marcos, para quem sabe, depois deles, algumas providencias sejam tomadas.  Seguindo no meu itinerário que teria tudo para durar um dia, o motorista adiantou que não pararia, desejando chegar mais cedo, e porque temia a lentidão no  transito “naquelas buraqueiras” . Outros acessos, links, mensagens...   não dormi  e o meu espírito ansioso preparava-se também para o dia seguinte, para o dia de amanhã, pelas trocas de informações, pelas leituras de links e compartilhamentos. Entre defensores e opositores, as trocas ou acusações eram contínuas! Sim! No entanto, de algum modo parecia contraditório para nós cristãos, esse sentimento porque é bíblico e sabido por todos , a orientação que diz : “portanto, não vos preocupeis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará suas próprias preocupações.” Ainda assim, outras boas esperanças para “ um novo dia, cheio de alegria” povoavam meus pensamentos.
Ponto de chegada! Chego ao meu destino, boa recepção, pai, irmãos, sobrinhos queridos, (alguns mais bonitos, rsrsrs) três Marias haviam tirado um descanso, vieram para a terra natal; à noite, sentei-me na poltrona ao lado o símbolo desses quase três é mais uma vez citado e lembrado por mim; nosso domingo começa desde a madrugada, os assuntos da casa estão em torno do mesmo tema; seguimos até que finalmente começou a bendita sessão, eu nem quis acompanhar ao vivo aquele movimentado processo; mas não deixei de ler as mensagens e de algum modo a sensação de ansiedade e incerteza tomavam conta de mim. Voltei-me para o quarto, da janela, e optei por acompanhar pela internet, não por muito tempo. Recolho-me de vez para dormir, para evitar turbulências de tantas negatividades do que eu ouvira até àquela hora, infelizmente fui surpreendida por crises de enjoos, vômitos, mal estar, algumas dores... e assim foi toda aquela noite, e mais uma vez eu acreditava no amanhã; não seria possível que eu estivesse  doente. E o meu “amanhã” da segunda  não foi dos melhores. Abatida, acamada, sem que eu me alimentasse, sob os zelos da mãe e das irmãs, água, agua de coco esperando naturalmente que pudesse levantar-me com automedicação; era terça-feira, até que aceitei ir para o hospital ...Conservada a lucidez, peguei para a releitura o livro SE HOUVER AMANHÃ e como abstração de algumas coisas de minha realidade, uso de vez em quando essa expressão numa mesma pergunta: Haverá o amanhã? Convicta da resposta de quem protagoniza já sabe o dizer: _ sim haverá! Sentindo-me mais forte, retornei à minha cidade; na despedida de meu pai, está ele lá, estende as mãos e sente a nossa partida, os olhos não são os mesmos de nossa chegada, a saudade ali deve cortar, discretamente lacrimejava.  Daí em pensamento eu repetia: “amanhã será um novo dia” de esperança, de otimismo, de muita fé. De retorno, a minha indisposição ainda prevalecia, sinais sutis daquele “fastio” perseguem meus instintos, e repetidas vezes eu podia dizer: sim, estou bem melhor!  
Talvez eu seja muito mais chata do que pareço, é possível que alguns colegas que leem esses textos, nem se impressionem mais com minhas palavras e atitudes, (são tão óbvias e repetidas) no entanto,  de um lado o contexto político, de outro lado as convenções do dia a dia e em quis compartilhar isso :   apesar de você, haverá o amanhã, uma sintonia com o Chico, e uma referencia ao Sheldon! Para os otimistas, aos que preferem a paz, aos que aceitam a evolução do homem, aos que trabalham pensando no bem coletivo, aos que optam pelo discernimento sempre  haverá o amanhã. E quando houver resquício de tristeza, de desamparo, sinais  de perseguição e negatividade, mesmo assim, por tudo com que temos convivido,  o “amanhã será um novo dia”. Essa é minha impressão!

Postagem em destaque

De meu quintal : um 13 maior que o mundo

Ouço as palavras , ouso nalgumas ,   uso-as como parte do papel para compor a outra parte de meu silencio , recorri a   Manoel de Barros p...