As emoções, a lógica, a (ir)racionalidade: a supera(SÃO)


Créditos de amigos: Canção Nova /Prof@Nona
Procuro  desde que comecei meus primeiros escritos defini a modalidade que melhor caracteriza meus “treinos”, considerando as liberdades poéticas, escrevo em prosa e em verso, faço homenagem, adquiro concessões graduais de ou outro leitor, e assim vou sustentando minha página, desse modo publiquei meus dois livros. Queria muito para cada data especial trazer um tributo, deixar em relevo os méritos merecidos de profissionais gigantes que temos espalhados por esse município afora, entre milhares que espalham amor, alegria, distribuem emoção; frutos da vontade quiçá de pequenos agentes transformadores. E nos últimos dias, me faltou disposição, sobrou o tempo para a devoção. Sinto-me lisonjeada quando depois da penúltima escrita recebi manifestação pessoal de alguns leitores! A gente sente quando faz parte da história!
Da festa "Uma noite em Paris! Gratidão
Estive ausente de minha cidade entre os dias nove e dezesseis de Outubro, mas usei meu caderninho para duas ou três passagens sobre o que eu  pretendia escrever... com pesar no inicio do mês fomos notificados e tomados em choque pela triste noticia do incêndio que vitimou fatalmente uma professora e oito crianças em uma creche num município de Minas Gerais, os municípios ficaram de luto; todos se emocionaram com tamanho gesto de crueldade, o país inteiro chorou e aprovou a conduta heroica e destemida daquela professora , “doou a própria vida como Maria” em luta corporal com aquele desconhecido para ser  serva “por amor” por escolher a vida daquelas famílias, daquelas crianças, por amor à profissão . Não foi assim quem ela quis, formou-se e desde que iniciara sua profissão pensara com muito zelo nas atividades e muito especialmente nas pessoas para quem trabalhava, assim noticiaram todos os jornais, testemunharam as pessoas que a conheciam. Nessa minha homenagem,  pensei em nós, e nas homenagens que o representante de nossa categoria nos oferece, pensei  naquele senhor doente que com pequenos sinais demostrava desequilíbrio mental, ausência de propriedades físicas! Pensei em nós, e em nosso “quintal” as preocupações e cuidados com que nossas autoridades executivas e legislativas dedicam aos nossos colegas! Pensei em nossas indicações e propriedades para que nossos pares canalizem bem os diferentes impasses, verbalizando melhor seus títulos e experiências  ! A relevância de nossa função do lado por onde “enxergo” está em pensar no outro!  E por lá... quem se importou com aquele senhor!? Nos mais diferentes cantos quem tem verdadeiramente se envolvido nas causas que são referentes aos professores? Toca-me profundamente reconhecer grandes profissionais, envolvidos nas mais distintas áreas que não demostram um mínimo de atenção a esse profissional, daqueles que se convencem com suas “teses” e nem olham mais para trás para agradecer, daqueles que na alfabetização as condições eram mínimas  ainda assim aprenderam a tratar com desdém os que por lá ficaram e tantas outras irracionalidades , há quem nos chamem de desocupados, que detestem profundamente toda e qualquer manifestação de professor; atravessamos tudo isso para dizer que “nem sempre precisamos morrer para dar a vida aos outros”.
Em tempo de agradecer e comemorar
Nesses meus recortes de reescrita, tipicamente promovo o incentivo para a leitura, convoco a esperança para o surgimento de novos escritores, penso que não somos concorrentes de ninguém, achei lindo lá em Aparecida quando Padre Fabio de Melo apresentou as artistas nacionais com canções marianas, tematizado “As Marias do Brasil”, e uma das amigas disse olha aí, professora, somos nós! Sim , somos! Viajar para qualquer lugar desse país, me faz aprender sobre todas as áreas do conhecimento, porém me traz lições de solidariedade, de altruísmo; intima-me a olhar por quem está mais por perto de nós, e esse possível véu da invisibilidade é apenas uma reflexão intrigante de que não há superioridade que vença qualquer ser humano, dentro da profissão que exerce do que ser humilde!Trouxe como lembrança uma imagem de quando eu reproduzia meus textos,  há dez anos, passava para um ou outro colega, timidamente, temendo a reação, na minha dificuldade de inovar, recebia algumas críticas necessárias, isso se converteu em estímulo para que eu aprendesse a ler melhor e tivesse mais humildade! Perdi, nesse ínterim algumas amizades e sei que já não posso contar com elas, mas exponho com gratidão e orgulho aquelas com quem pude contar , que me ensinaram indispensáveis exercícios; é nessas fases que “ a gente” aprende a lidar melhor com nossas limitações ! Queria muito que todos nós de alguma forma nos lembrássemos das noventa e nove vezes que fomos agraciados, sentir satisfação em mencionar os nomes e fazer disso um gesto de superação... [ ]  estamos aí, entre um episodio e outro construindo uma imagem de confiança , “aprendendo a conhecer e a ser” como estudamos nos pilares defendidos no final do século XX e conforme desenvolvemos em projeto na Escola, aprendendo com uns e outros teóricos renomados, estamos aqui, nas sugestões de livros, de filmes,  nas falhas, no esforço do trabalho, “achando” que caminhamos na direção certa, reconhecendo que toda e qualquer realização conta com outras parcerias! Trago como lição, a festa no povoado Lagoa dos Costas , "Uma Noite em Paris" , quando nós mesmos nos homenageamos,  nas citações, nas lembranças, nas danças das cores, nas distribuições  dos pães !
Trouxe umas trezentas lições dessa viagem de Aparecida, queria nessa leitura compartilhar o Mosaico Artístico do Santuário da Comunidade Canção Nova, a mensagem é retirada de São Lucas na Parábola do Filho Pródigo, e parece que ouço a voz da missionária dizendo “é o caminho da conversão, o Pai de Misericórdia” que está em evidencia”, destaco isso, para que continuemos dando prioridades às nossas convicções e abraçando de modo otimista as oportunidades, para que outros saibam que mesmo errando todos temos a chance de voltar atrás, para que na história, nossos nomes fomentem a vocação, o respeito a hombridade! Espero de verdade que todos nós que fomos chamados para essa missão, trabalhemos com afinco, usando nossa vez, para dar ao outro o direito de aprender ! “Superar SÃO” todos os ensinamentos adquiridos na casa de meus pais e com eles, superação é adquirir maturidade para vencer e reconhecer que outras tantas pessoas lhe oferecem ombro amigo e lhe estendem a mão para que caminhem juntos, é agradecer  aos  professores tradicionais que grifavam em vermelho as lições que  não conseguímos  “decorar”. O meu relevo está para nós PROFESSORES que dedicamos nossa disposição na colheita e no interminável plantio!  OBRIGADA!

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

De meu quintal : um 13 maior que o mundo

Ouço as palavras , ouso nalgumas ,   uso-as como parte do papel para compor a outra parte de meu silencio , recorri a   Manoel de Barros p...