“Perdoa se eu não sei rezar... que eu caminhe tocada pela fé”



Há muito mais de trezentos e sessenta e cinco dias fomos “chamados” para, por providencia  participar  com muito privilegio da festa de 300 anos de devoção a Maria através de uma viagem à Aparecida com vistas e visitas ao Santuário. Imitei os demais devotos e peregrinos, (antes do encontro) com a imagem, já compreendia que Ela faz parte de minha vida, faz morada em meu lar desde a mais tenra idade , pelas instruções de meus pais, na orientação cristã. Tenho essa humilde vocação “para o escrever” ,  com a vocação, seguramente a inspiração divina para que minhas composições soem bem, ademais nunca tive  nenhuma dúvida de que Deus se manifesta em nossas vidas das mais diferentes formas; sinto suas mãos tocarem em mim para que minhas proposições tragam algum afeto.
A nossa viagem ocorreu bem no dia do aniversario de minha mãe, que tem sido nossa Maria cheia de graça, de amor e muita fé; sem alarde, peguei o voo com sinal de que boas revelações eu teria para disfarçar meus medos, identificando o maior: acrofobia; pois isso não conturbaria minha confiança em conhecer Aparecida , a cidade , a história, o Santuário, os milagres , os devotos, as canções, os peregrinos....  o anseio em confirmar de que tudo é a misericórdia do Senhor! Fui do mesmo jeito que estou aqui agora: pés no chão; apoio das pessoas com quem convivo e trabalho diariamente e para quem trabalho; na hora da decolagem tentei de todas as formas lembrar aquela canção cantada pela banda Dominus aqui em 08 de setembro, cujo refrão ecoou em minha cabeça por alguns dias   “ Vem me abraçar vem me curar, meu Deus, contigo não estou sozinho; vou me entregar, em Ti me encontrar , meu Deus, contigo não estou sozinho”  fechar os olhos, cerrar as mãos , tentar não olhar para os lados, nem ouvir nada : assim viajei! Quão boa a sensação de estar em terra firme! Quão maravilhoso atravessar a Via Dutra e ao longo do percurso vê os milhares de romeiros, fieis ao amor de Maria, atravessando fronteiras! Que bonitos gestos daqueles cristãos praticantes de outros “credos” sendo solícitos com os que atravessavam cansados, machucados, desidratados! Eu não assistir ao globo repórter, minha identidade e pessoa estavam ali presentes com todos que visitaram o altar santo.  Na chegada da cidade, é emocionante passar e sentir a presença viva de Maria nossa Mãe, impossível não se emocionar. .. a gratidão, o emocionante gesto de quem mesmo acometida de doença  grave (em tratamento) chorou ao ver a imagem e poder dizer : que bom  eu vivo isso agora , a minha fé!
Fotos cedidas pelos amigos
Lembrei-me durante o voo de ida e de volta das mãos santas que nos ajudam a realizar sonhos, estando em Aparecida entre altos e mais altos, tudo na paz e tranquila ordem; dali, visitamos Campos de Jordão, bem no coração da Serra da Mantiqueira como disse a guia “a mil e setecentos metros de qualquer preocupação” ! Empolguei-me e usei aquele básico de frio, mas não fiquei só, quis provocar meus amados filhos, que daqui do Maranhão aguardavam ansiosos por qualquer “gafe” dessa nordestina que vos fala! Eu rio de nossas coisas, de viagens, de lembranças, do tema das férias do próximo ano... nossa caravana de peregrinos , nas filas dos almoços, no uso de banheiros coletivos , todos ali eram do mesmo tamanho porque sempre fomos ! Não tenho sofisticação comigo, tampouco assiduidade nas pastorais, daí vez ou outra me bate umas indagações  : quais roupas combinam mais e melhor com nosso estado de espirito? De que lado estão expostas nossas preces e nossa forma de fazer oração? Deparamo-nos com algumas repostas, durante a viagem na hora de voltar da Serra ... ninguém disfarçou  o medo de retornar para casa naquele ônibus que apresentou problemas nas marchas logo cedo, ali percebemos o sentido do canto “ é de sonho e de pó, o destino de um só” depois disso , a evocação para a prece, para a sintonia com nossa força espiritual; era Maria nos convidando a orar e ir literalmente para perto dela, disse uma amiga;  alguns naquela noite participaram da festa de coroação, outros recolheram-se para recuperar as energias ... e a noite não foi longa, romeiros chegavam de todos os lados, de nosso hotel víamos o santuário, ouvíamos as vozes, as orações e a noite vira dia em véspera de festa, avenidas movimentadas, fogos, foguetes, procissão, lembranças, tudo é manifestação de  fé.
fotos cedidas pelos amigos de viagem
De nossa passagem , tenho certeza de que foi para nos ajudar a ser “gente melhor”, reconhecer nossas falhas e renovar nossas forças convictos da oração a qual fazemos. Naquele show do dia 12 de Outubro, fazer coro com Padre Fábio de Melo e outras milhares de vozes no refrão “Me cobre com seu manto /enxuga o meu pranto/perdoa se eu não sei rezar/estenda sua mão/me abre o coração/me ensina a saber amar...” Estar ali em tempos de grandes conturbações, desafios e atentados à vida é um chamado para que saibamos enfrentar as situações de vida com a sabedoria de Deus; valeu a pena a viagem, valeu a pena o sentimento da amiga que agora “sabe o que é sair da caixinha” valeu a inclusão de outros nomes em nossas orações, e vale por todas as oportunidades que o Senhor nos concede, valeu por aqueles que pediram intercessão pela saúde de meus pais,  de minha parte, gratidão a Deus, aos demais pelos incentivos para escrita, aos que nos percebem entre milhares de devotos , nos estendem as mãos. Gratidão aos demais das cidades vizinhas pelo companheirismo e  solidariedade! Nunca pensei que meu sonho se materializasse ali, ouvindo a pregação de padre Zezinho, exemplo de santidade viva, compartilhando da posição justa de Padre Fábio ao pedir que rezássemos uma Ave Maria pelo povo brasileiro e dizendo “merecemos um país melhor, nós pagamos altíssimo por um país melhor”! 
Fotos cedidas pelos amigos
Tão bom viajar, tão bom ter para onde voltar, meu retorno deu-se no dia em que íamos nos confraternizar pelo aniversário de nossa mãe, de minha pernoite com nosso pai, do amanhecer, provocando um bom dia para poder ouvir Parabéns Professora Nilma Sodré, hoje você merece presentes” era dia dos professores ! Felizes sejamos todos nós, na vocação, nas intenções e nas orações ! Perdoa Nossa Senhora se na falha da emoção, se no convívio da multidão eu me esqueça que não estou sozinha, quando tuas mãos se ausentam, milhares de outras, na humildade se estendem a nós! Minha singela....





6 comentários:

Lauri disse...

Acho que viajei com vocês, senti isso ao ler o texto...

Gracineth Mendonça disse...

Sempre muito emocionante!!!
São esses sentimentos de fé e gratidão, que devemos ter como exercício diário.
Parabéns Nilma Silva.

Nilma da Silva Sodre disse...

Obrigada pelo incentivo constante! Pelas observações necessárias, pelo apoio e respeito às publicações .

JOSE ANTONIO BASTO disse...

A razão de ser da vida é nossa própria felicidade. Felicitações sempre!

James Protons disse...

A visita á casa de Nossa Mãezinha Aparecida nos levou a repetir com ela sua oração: "A minha alma engrandece o Senhor, e meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador" (Lc 1,46). Experimentamos no jubileu dos 300 anos da Aparição de Nossa Mãe a Nação brasileira, uma verdadeira e inexplicável alegria e presença de Deus. Foi o momento de maior experiência pessoal com Cristo, o seu filho amado. Ali no abençoado pedaço do céu Santuário de Aparecida, escutamos a voz de Maria nos aconselhando: "fazei tudo o que ele vos disser" (Jo 2,5). Chegamos a nossa realidade fortalecidos e inabaláveis em nossa fé, no intuito de nos lança a fazer a vontade de Cristo em nossa vida . Relatos da visita ao Santuário de minha querida Nilma Sodré em seu texto “Perdoa se eu não sei rezar... que eu caminhe tocada pela fé". Nos faz ver que em Aparecida encontra-se umas das maiores experiências transcendentais do Cristão:"De nossa passagem , tenho certeza de que foi para nos ajudar a ser “gente melhor”, reconhecer nossas falhas e renovar nossas forças convictos da oração a qual fazemos". Parabenizo minha querida pariquiana pelo belíssimo testemunho do encontro pessoal com Cristo, proporcinado pela peregrinação ao Santuário Nacional de Aparecida!

Alcione Soeiro Soeiro disse...

Só agora li seu texto. Sempre que vc escreve,gosto de ler sem pressa e no momento em que me sinto preparada,pois,a cada leitura sei que haverá uma emoção,e com esta,a mesma seria muito maior. Parabéns sempre por se superar cada vez mais em seus escritos. Nem preciso dizer o quanto me emocionei.

Postagem em destaque

De meu quintal : um 13 maior que o mundo

Ouço as palavras , ouso nalgumas ,   uso-as como parte do papel para compor a outra parte de meu silencio , recorri a   Manoel de Barros p...