DEMOCRACIA: de santos, de sábios e de loucos

Debate STTR _foto de Iran  Avelar

Desde o inicio da república, os brasileiros assistem de longe aos passos políticos e decisões de seu país; de um lado, há os que dizem detestarem política ( virando lugar comum) de outro, aqueles que gostam, discutem, participam, comprometem-se, no entanto ao terem a chance de exercerem cargo  executivo ou legislativo não sentem nenhuma obrigação em compartilhar de suas decisões com quem o ajudou no percurso. É preciso pensar e pensar muito sobre isso.
Esse ano, ano de eleições municipais, ouvimos pelos corredores, nos noticiários, nas repartições, em diferentes ambientes, frases absurdas de eleitor (alguns bem esclarecidos) ora falando em não votar porque não ganha nada, portanto, pedirá algo pra qualquer um dos candidatos; ora citando os escândalos da corrupção, disseminando a homogeneidade de siglas, pessoas, estereotipando-as com a ideia de que todos são ladrões; e ainda, detonando o candidato, valendo-se de palavrões, ofensas pessoais, acusações levianas, promovendo a ira e as desavenças entre pares. Porém, os tempos mudam: os interesses, as disposições, os cenários não serão mais tingidos com as mesmas cores, e se não for farsa pelo próprio sentido incorporado da palavra democracia, hoje a iniciativa do debate conduzido pelo STTR (Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais), somando-se à participação dos candidatos significa um grande passo  e a sensação de que os leitores e eleitores  não podem ficar à margem do processo de (des)alienação, adotando um discurso de que só seu candidato estará mais e melhor preparado para o exercício legítimo do poder.
Persigo a ideia de que o fato de os três candidatos a prefeito(a) de nossa cidade participarem efetivamente do debate já foi uma grande vitória; afinal, o processo eleitoral precisa disso: os eleitores, os partidários, os apaixonados devem conhecer outras faces além daquelas bem treinadas para discurso em palanque, precisam perceber que o candidato-politico não atenderá apenas interesses de um ou outro individuo dentro de seu partido, atenderá sim, de um grupo de pessoas que sentem as mesmas mazelas e algumas vezes são excluídas. Vi e ouvi  naquele debate, respostas excelentes, outras,  até meio por fora como se o candidato desconhecesse “o sabor das massas e das maçãs” vivenciado pelo trabalhador dessa terra, lamento que para alguns  as palavras soem tão alto e que as ações fiquem presas, contracenando com a disparidade do discurso
Portanto, se alguém me perguntar sobre esse estranho título, terei dito: somos apenas humanos, limitados, sempre em processo e como não somos simultaneamente santos, sábios ou loucos, procuremos defender ferrenhamente nossos direitos, nosso exercício de cidadania, lutemos para que nossa escolha, dessa vez, faça ainda mais diferença, despertemos para a necessidade de alternância de poder, da qualidade de vida, da prioridade pelo bem comum e admitamos os antigos ditos populares “nenhum mal e nenhum poder dura para sempre”. E agora, parafraseando a canção de Tim Maia, se Urbano Santos inteiro me pudesse ouvir, teria muito para contar, dizer o quanto  aprendi  com aquele debate. Assim, terminar dizendo, que aquilo que está evidente para mim, na ordem da razão e da emoção não está da mesma forma para o outro, e se alguém quiser discordar de algum aspecto; eu devo dizer que não apresento respostas e nem todas as percepções acerca do debate, admito aqui apenas umas ideias, sintomaticamente entre santas, sábias e loucas . (E mais: não é fácil trazê-las).

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

De meu quintal : um 13 maior que o mundo

Ouço as palavras , ouso nalgumas ,   uso-as como parte do papel para compor a outra parte de meu silencio , recorri a   Manoel de Barros p...