Um pouco mais, nem tanto!!



Começo hoje meu dia com o pensamento voltado para Deus, agradecendo por todas as bênçãos que fui capaz de receber e por ter o discernimento de manter viva a minha fé, a minha integridade. Construo essa minha releitura a partir de uma passagem de um poeta reconhecido “existe uma idade certa para ser feliz e essa idade se chama presente, ” logo fiz a escolha de ser feliz a cada amanhecer, a cada dia conquistado, a cada encontro com as pessoas próximas; a escolha de não remoer as dores e os empecilhos da vida, de não deixar se abater diante das tristezas e dificuldades.
Embora pareça estranho a maneira como resolvo parabenizar-me, possuo nesse momento de minha fala a ideia de que já fui capaz de escrever sobre tanta coisa, de prestar homenagens, de retirar lições, de lembrar sem muita dor da impunidade no caso do assassinato de nosso irmão, de ensinar e aprender, de que amanhã será o aniversario de minha irmã Soraya, depois o casamento de nossa sobrinha Fernanda,  da proximidade dos 80 anos de meu pai; lembro-me das poucas ferramentas que sempre tivemos e de que em alguns momentos fomos capazes de fazer a diferença na vida de pessoas. Estou feliz, sou feliz. Quantos desagravos! Quantas conquistas e ganhos nesse espaço de tempo! Quanto tenho sido abençoada ! Cuido para que a minha passagem não seja um mero acaso, cuido para tornar-me a cada amanhecer, mais humana, mais cristã, cuido para que a minha vida seja pautada pelo bom-senso e pela serenidade, cuido para ter mais motivos para agradecer, para ser e permanecer, cuido para enxergar melhor as qualidades daqueles que de mim se aproximam, cuido para que o meu abraço seja sempre fraternal e sincero. Enfim nessa nova idade, cuido para confiar mais nas pessoas.
Costumeiramente não faço festa, não me dou muito bem com fotos, houve um dia em que tive vontade de me esconder, de inibir minhas esperanças, de desistir de projetos e sonhos, de recolher meus recortes e escritas, de manifestar minha incredulidade diante de todos os fatos, vontade até de parecer mais tola e menos especial. Graças a Deus não vivo esse tempo! Graças a Deus hoje acredito na sensualidade da mesma forma que acredito na solidariedade; a futilidade às vezes necessária não me faz bem, nunca fez. Hoje meu aniversario ganha outro significado: começou bem cedo, à meia noite, chapéus de palhas, enfeitando as paredes; canjicas, mingau de milho, frutas, ponche, bolos de milho, tudo sobre a mesa anunciavam a importância dada à data e à pessoa. A discrição das pessoas,  a organização da surpresa, sinalizam a grande data, o que mais posso exigir de presentes? Resta-me praticar a aceitação de coração aberto, resta-me pensar no outro sem julgá-lo e sem querer prejudica-lo, resta-me manter os pés firmes no chão, resta-me a inevitável transformação, resta-me o sentimento de agradecimentos, a sensibilidade para o reconhecimento.
Portanto, sei que não mudei de uma hora para outra, sei que ainda tenho muito da quietude interior, porém sei que evolui e que posso ser mais humana, respeitando e aceitando o outro. Ao final, com essa minha simples homenagem, só posso mais uma vez agradecer a Deus e trago uma passagem dita pelo salmista “ensina-nos a contar os nossos dias para que nosso coração alcance sabedoria”, aos demais, irmãos, filho, parentes, amigos, colegas que expressaram o sentimento de alegria com a passagem de meu aniversario, muito obrigada! Aos que pensaram, escolheram ficar no anonimato, com mensagens mais discretas ou desejaram apenas no coração, obrigada! Aos curiosos, desejando saber sobre a idade, só adianto uma coisa: hoje estou um pouco mais velha, nem tanto! Agora, faço questão de dizer que as minhas renuncias e meu amadurecimento são o fermento para minha nova idade. Parabéns, Nilma!

2 comentários:

Eduardo disse...

Felicidade sempre!

Cidadania disse...

Parabéns para todos nós que tivemos o privilégio de te-la como amiga.
Didi

Postagem em destaque

De meu quintal : um 13 maior que o mundo

Ouço as palavras , ouso nalgumas ,   uso-as como parte do papel para compor a outra parte de meu silencio , recorri a   Manoel de Barros p...